REFLEXÃO SOBRE A QUARENTENA: QUAIS MOMENTOS IMPORTANTES FORAM ESTES PERDIDOS? - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 22 de junho de 2021


Publicidades

REFLEXÃO SOBRE A QUARENTENA: QUAIS MOMENTOS IMPORTANTES FORAM ESTES PERDIDOS?

Publicado sexta, 24 de abril de 2020





O cenário brasileiro atual traz consigo muitas interrogações e consequentemente, muitas angústias. Imersos em uma rotina inesgotável, onde diversas pessoas vivem crises de ansiedade em nome de um mundo que simplesmente não parava, UM VÍRUS PAROU O MUNDO... convido você, meu caro leitor(a) a parar alguns minutos e me acompanhar neste breve pensamento.

Ruas lotadas, todos correndo de um lado para o outro, submersos na agenda lotada e sempre deixando momentos de extrema importância de lado em nome da correria do dia a dia. QUAIS MOMENTOS IMPORTANTES FORAM ESTES PERDIDOS?

Sabe aquele dia que seu(sua) filho(a) estava doido de saudade e correu para atrair sua atenção, mas você estava cansado demais para aguentar aquela conversa “mole”, crianças aceleradas e ansiosas, suplicando por um segundo de atenção oferecida de forma simples. Um olhar de seus responsáveis, banhado de cautela e amor... SIM! Estou me referindo aquilo que o dinheiro não é capaz suprir.

Em atendimentos, sou bombardeada pela frase: “EU QUERO DAR AO MEU FILHO TUDO O QUE NÃO TIVE! POR ISTO TRABALHO TANTO...” porém o que te tornou o adulto de hoje foi justamente a frustração de não ter tudo material, mas sentir amor e respeito pelas figuras parentais. Estamos em um momento em que o respeito foi substituído pelo medo, e o medo é capaz de paralisar seres humanos. O respeito move o laço das relações interpessoais e constitui caráter digno ao ser, de forma que se torne mais humano.

Eu compreendo que realmente, a incerteza gera desconforto no âmbito financeiro para todos, porém aproveite este momento para olhar bem dentro de você, e pensar em possíveis melhorias nas suas relações com seus filhos. Ofereça o que realmente vale mais que qualquer fortuna: O SER.

Seja a sua melhor versão paterna e materna, isto não diz de uma perfeição, mas diz de “fazer o melhor que pode, com aquilo que se tem”!

Não é fácil ficar confinado em casa para nenhuma faixa etária. Porém neste momento temos a oportunidade de sermos melhores, e a valorizar momentos simples antes banhados de rotina (abraços, beijos, proximidade do laço social), será somente eu que sinto saudade de me dirigir ao meu trabalho pela manhã sabendo que minha estabilidade financeira viria ao início do mês? Saudade de caminhar sem máscaras pelo supermercado, poder viver sem minhas mãos colando de álcool em gel, abraçar meus pequenos pacientes que chegam felizes querendo contar sobre a semana deles, cumprimentar meus pacientes adultos e poder atendê-los no sigilo do meu consultório e poder oferecer um espaço seguro para todos se expressarem e encontrar alento diante das crises existenciais? -creio que a resposta foi: NÃO É SÓ VOCÊ-. Chegamos no ponto chave da questão, o isolamento é para resguardar você e seu próximo, é um trabalho em conjunto para o benefício de todos. 

Para não perdermos tempo, vamos fazer com que este momento seja produtivo... elaborar reflexões acerca de valorização do seu eu, respeito por tudo que você conquistou e ainda irá conquistar, seja sua melhor versão - parece clichê, mas vale refletir sobre esta frase- sabemos que nada voltará ao normal de forma imediata como nos filmes, teremos que ter o braço forte para reconstruir aos poucos nossas estabilidades. Seria esta, uma oportunidade de reconstruir aquilo que a aceleração tentou dilacerar?

A economia luta para sobreviver entre suspiros inesgotáveis de esforços de todos os lados, porque afinal ela move o mundo da classe baixa, média e alta. Tudo fugiu ao nosso controle, agora dependemos de poderes superiores a nós para tomar decisões árduas e complexas.

Que possamos valorizar mais e mais, a cada dia que passar durante este período, as relações humanas. Desconectar um pouco do virtual, e conectar mais no facial. Este momento pode até ser longo mas não será eterno, vamos aproveita-lo para produzir dentro nós a valorização de cada momento que se vive.

 

Ana Paula Fernandes Ferreira

 Psicóloga clínica e infanto-juvenil

CRP 04/54699

E-mail: anaffernandes95@gmail.com

Contato: (35)9 8883-0500

 




Mais Comportamento


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar