A HISTÓRIA DO XADREZ EM GUAXUPÉ - Correio Sudoeste - De fato, o melhor Jornal | Guaxupé Mg

Guaxupé, 26 de janeiro de 2021


Publicidades

A HISTÓRIA DO XADREZ EM GUAXUPÉ

Publicado quarta, 09 de setembro de 2020





Caros Amigos enxadristas, amantes da modalidade ou curiosos que tem interesse em conhecer um pouco mais deste esporte que também pode ser classificado como arte ou ciência. Me chamo Alan Marks e a partir de hoje, semanalmente, temos um encontro na coluna de Xadrez aqui no CORREIO SUDOESTE para que você conheça um pouco mais desta modalidade tão interessante e que cresce em qualidade e quantidade de adeptos em Guaxupé.

Como primeira reportagem, vamos falar um pouco do xadrez guaxupeano e um pouco do que aconteceu na modalidade nos últimos 20 anos:

Em meados anos 2000 tivemos o jogador e treinador João Carlos da Costa desenvolvendo projetos e torneios em toda cidade e região, inclusive ministrando aulas de Xadrez na Escola Caic e torneios frequentes.

Alguns jogadores guaxupeanos merecem destaque na década de 90 e inicio dos anos 2000: Adriano dos Reis Carvalho, Natal, Dr. Fernando, Marcelo Saad, Davi Takechita, Joarlei Pasqua, Rominho, Miguel, João Francisco Pasqua e seu irmão Felipe Pasqua, Carlos César  e Vinicius Carvalho, despontaram no Xadrez municipal na época no famoso “Clubinho” que era uma casa simples mas acolhedora onde aconteciam os encontros.

Em 2003, no Clube Guaxupé, onde aconteciam alguns eventos enxadrísticos, o Campeonato Guaxupeano chegou a acontecer com 43 enxadristas, todos da cidade.

Apesar de todo sucesso e esforço dos adultos para manter a modalidade, em meados de 2007 a 2015, o Xadrez guaxupeano teve uma “pausa” por vários motivos.

Em 2015, com a volta do Xadrez em alguns projetos escolares, principalmente no Colégio Objetivo e E. E. Nossa Senhora Aparecida, o Xadrez voltou meio tímido, mas era um começo. Em 2017, o primeiro Jogos Estudantis aconteceu com a participação de várias escolas, incluindo a E.E. André Cortez Granero que apesar de não ter aulas específicas teve como treinador Vinicius Carvalho, pai de Martim Carvalho, que era aluno do Colégio Objetivo. A competição escolar fez florescer novamente a modalidade na cidade.

Em 2018, foi criado o Clube de Xadrez Guaxupeano, ainda sem sede, mas com o apoio do Café Evolutto, ao qual Alan Marks e professora Tiomara Oliveira desenvolveram projetos voluntários de ensino ao Xadrez denominado como Lex Liga ou Liga Escolar de Xadrez. Já são mais de mil jovens atendidos com aulas online e presenciais.

Guaxupé nos últimos anos conquistou vários títulos importantes na nas categorias de base e no adulto como, por exemplo: Campeão dos Jogos da Jamog masculino adulto e vice-campeão feminino adulto; inúmeras vezes conquistou colocações importantes nos jogos escolares de Minas Gerais,  o Jemg - neste ano Jhony Lima dos Santos foi o segundo melhor jogador de xadrez sub-17 masculino de Minas Gerais, assim como tivemos entre os dez melhores Heitor Carvalho, Wesley Silva, Laís Nascimento e Otávio Reis.

Em 2019, tivemos Izabel Galante conseguindo o feito de chegar na última fase Estadual do JEMG e por inúmeras vezes Martim Carvalho campeão sub14 regional masculino.

Nosso XADREZ feminino cada vez mais forte e com mais meninas experientes temos em Lara Gordiano nosso destaque, mas sem esquecer nossas jovens enxadristas que treinam semanalmente representando nosso município como: Mariles, Manuella, dentre várias outras.

Em breve Guaxupé contará também com o novo point de encontro dos enxadristas da cidade, o Chess Café, do nosso amigo Joarlei Pasqua. Lá jovens adultos meninas e meninos poderão se encontrar para realizar partidas presenciais em um lugar bacana e propício ao esporte.

Quando não estávamos em quarentena, nos encontrávamos semanalmente na escola Coronel, grande parceira no incentivo ao xadrez municipal, incluindo aulas aos seus alunos e torneios rotineiros.

Por fim gostaríamos de agradecer ao CORREIO SUDOESTE pelo espaço e desde já convidando a todos os interessados a praticar essa arte milenar que é o xadrez, tão importante no desenvolvimento cognitivo, social e motivacional dos jovens e que pode se tornar um grande auxílio na busca por uma nova modalidade de lazer e entretenimento.

Aos estudiosos basta querer aprender para navegar em um profundo mar de possibilidades, afinal são mais de quarenta mil livros no acervo mundial desse esporte.

Aguardo o contato de todos vocês mesmo que curiosos, pois é disso que estamos falando: conhecer uma nova modalidade e novas pessoas, obter novos conhecimentos e multiplicar com todos. Entre em contato: 35 9981-83678

Um forte abraço!

 

Alan Marks, Coordenador LEX Liga


COLUNISTA
Alan Marks é formado em Educação Física UNIFEG, Instrutor e Treinador de Xadrez-CXOL, Coordenador LEX Liga Brasil, Professor-Colégio Objetivo Instrutor de Xadrez-Escola Coronel e PHD


Mais Artigos


 Publicidades

Correio Sudoeste - Todos os Direitos Reservados - Proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo sem autorização prévia

Desenvolvido por Paulo Cesar